Sirolimo

publicidade

Indicação

Para que serve?

Sirolimo é indicado para prevenção da rejeição de órgãos em transplantados renais.

Recomenda-se que seja utilizado inicialmente em regimes terapêuticos com a ciclosporina e corticosteroides.

Uso adulto e pediátrico acima de 13 anos - Uso oral

Mecanismo de Ação

Como funciona?

O sirolimo é medicamento que inibe o sistema imunológico que, diferentemente de outros imunossupressores, inibe a proliferação celular e a produção de anticorpos.

O tempo para o medicamento atingir a concentração máxima no sangue é de aproximadamente 3 horas.

Posologia

Como usar?

Tome sempre Sirolimo exatamente como orientado por seu médico.

O médico responsável pela terapia de manutenção deve ter todas as informações necessárias para o acompanhamento do paciente.

Pacientes com Risco Imunológico Baixo a Moderado

  • Terapia com Sirolimo combinado à ciclosporina:

Em receptores de um primeiro transplante renal, deve-se administrar uma dose de ataque do Sirolimo de 6 mg, uma única vez, seguida de dose de manutenção de 2 mg por dia, diariamente, juntamente com a ciclosporina e corticosteroides, dois medicamentos que são usados de acordo com o médico do paciente.

Nesses pacientes a ciclosporina pode ser retirada entre 2 e 4 meses após o transplante renal em pacientes com risco imunológico baixo a moderado e a dose de Sirolimo deve ser aumentada, de acordo com o médico do paciente.

  • Sirolimo após a retirada da ciclosporina [Referido como Esquema de Manutenção de Sirolimo]:

Inicialmente, os pacientes devem receber uma terapia de Sirolimo em associação à ciclosporina.

Entre 1 a 4 meses após o transplante, a ciclosporina deve progressivamente descontinuada por 4 a 8 semanas e a dose de deve ser ajustada a fim de obter níveis de concentrações mínimos no sangue total.

O médico do paciente deve, a seu critério, ajustar essas doses.

Pacientes de Alto Risco Imunológico

  • Terapia com Sirolimo em associação

Recomenda-se que Sirolimo seja usado em associação com tacrolimo e corticosteroides no primeiro ano após o transplante em pacientes de alto risco.

Para pacientes que recebem Sirolimo com tacrolimo, a terapia com Sirolimo deve ser iniciada com uma dose de ataque de até 10 mg nos dias 1 e 2 após o transplante.

Com início no dia 3, uma dose de manutenção inicial de 5 mg/dia deve ser administrada.

Para pacientes que recebem Sirolimo com ciclosporina, a terapia com Sirolimo deve ser iniciada com uma dose de ataque de até 15 mg no dia 1 após o transplante.

Com início no dia 2, uma dose de manutenção inicial de 5 mg/dia deve ser administrada.

Recomenda-se que Sirolimo seja tomado 4 horas após a administração da ciclosporina.

Este medicamento não pode ser partido, aberto ou mastigado.

Efeitos Colaterais

Quais os males que pode me causar?

Como os demais medicamentos,Sirolimo pode ter efeitos colaterais.

Porém, uma vez que o Sirolimo é tomado em associação com outros medicamentos, os efeitos colaterais não podem ser sempre atribuídos, com absoluta certeza, ao Sirolimo.

Efeito colateral muito comum:

  • Linfocele; edema periférico (inchaço nas extremidades do corpo); febre, cefaleia (dor de cabeça), dor, hipertensão (pressão alta), dor abdominal; diarreia, constipação (prisão de ventre), náusea, particularmente em altas doses: anemia (diminuição da quantidade de células vermelhas do sangue: hemácias); trombocitopenia (diminuição das células de coagulação do sangue: plaquetas), hipertrigliceridemia (hiperlipemia); hipercolesterolemia (nível de colesterol alto); hipofosfatemia; hiperglicemia; hipocalemia (quantidade de potássio sanguíneo baixo); aumento da desidrogenase láctica (DHL); aumento da creatinina (substância eliminada pela urina cujo aumento no sangue indica que há algum problema no funcionamento dos rins), artralgia (dor nas articulações), acne, infecção do trato urinário.

Efeito colateral comum:

  • Cicatrização de ferida anormal; edema (inchaço); infecções fúngicas, virais e bacterianas (como infecções por micobactéria, incluindo tuberculose, vírus Epstein-Barr, CMV e Herpes zoster); herpes simplex; sepse, taquicardia (aceleração dos batimentos cardíacos); tromboembolismo (eliminação de coágulos a partir dos vasos sanguíneos) venoso (incluindo embolia pulmonar [entupimento de uma veia do pulmão por um coágulo], trombose venosa profunda [formação de um coágulo sanguíneo numa veia profunda]), estomatite (inflamação da mucosa da boca), ascite, leucopenia (redução de células de defesa no sangue); neutropenia (diminuição de um tipo de célula de defesa no sangue: neutrófilos); púrpura (manchas causadas por extravasamento de sangue na pele) trombocitopênica trombótica (obstrução de algum tipo de veia ou artéria)/síndrome urêmica hemolítica, alterações nas provas de função hepática; aumento da TGO, aumento da TGP (enzimas do fígado), acúmulo de líquidos, necrose óssea (morte de células do osso), epistaxe (sangramento nasal); derrame pleural; pneumonia; pneumonite, erupção cutânea (lesão na pele), carcinoma de células escamosas, carcinoma de células basais, pielonefrite, proteinúria (proteína aumentada na urina/eliminação de proteínas pela urina), cistos ovarianos, distúrbios menstruais (incluindo amenorreia (ausência de menstruação) e menorragia ( menstruação longa ou intensa)).

Efeito colateral incomum:

  • Derrame pericárdico (incluindo derrames hemodinamicamente significativos em crianças e adultos), pancreatite (inflamação no pâncreas), linfoma (câncer que se origina nos linfonodos: gânglios)/distúrbio linfoproliferativo pós-transplante, pancitopenia (diminuição de todas as células do sangue), hemorragia (perda excessiva de sangue) pulmonar, melanoma, síndrome nefrótica.

Efeito colateral raro:

  • Linfedema, reações de hipersensibilidade (reação alérgica), incluindo reações anafiláticas/anafilactoides (reações alérgicas graves), angioedema (inchaço das partes mais profundas da pele ou da mucosa, geralmente de origem alérgica) e vasculite (inflamação da parede de um vaso sanguíneo) por hipersensibilidade, foram associadas à administração de sirolimo, proteinose alveolar, dermatite esfoliativa (descamação da pele).

Contraindicações

Quando não devo usar?

Sirolimo é contraindicado a pessoas com alergia conhecida a qualquer um de seus componentes.

Este medicamento é contraindicado para menores de 13 anos de idade.

Advertências e Precauções

O que devo saber antes de usar?

Informe seu médico se você tem ou teve problemas no fígado ou alguma doença que possa ter afetado este órgão, já que isto pode alterar a dose de Sirolimo.

A imunossupressão pode causar aumento da susceptibilidade a infecções e possível desenvolvimento de linfoma.

Apenas os médicos com experiência em terapia imunossupressora e no tratamento de pacientes transplantados renais devem utilizar Sirolimo.

O médico responsável pela terapia de manutenção deve ter todas as informações necessárias para o acompanhamento do paciente.

As drogas imunossupressoras podem diminuir a capacidade de defesa do seu organismo, podendo aumentar o risco de desenvolver câncer dos tecidos linfoides ou de pele.

Os pacientes devem ser avisados que a exposição à luz do sol e aos raios UV somente deve ser feita se estiverem vestindo roupas que os protejam e se estiverem usando protetor solar com um alto fator de proteção devido ao risco aumentado de câncer de pele.

Ainda não foram realizados estudos dos efeitos sobre a capacidade de dirigir e operar máquinas.

Portanto, os pacientes em uso de Sirolimo devem ser advertidos para não dirigir veículos ou operar máquinas.

Sirolimo na gravidez e lactação: informe seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término.

Informe seu médico se está amamentando.

É necessário usar métodos contraceptivos eficazes antes do início, durante e por 12 semanas após o término do tratamento com Sirolimo.

Em caso de dúvida, consulte seu médico.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Este medicamento contém açúcar, portanto, deve ser usado com cautela em portadores de Diabetes.

Este medicamento contém corantes que podem, eventualmente, causar reações alérgicas.

Medicamentos imunossupressores podem ativar focos primários de tuberculose.

Os médicos que acompanham pacientes sob imunossupressão devem estar alertas quanto à possibilidade de surgimento de doença ativa, tomando, assim, todos os cuidados para o diagnóstico precoce e tratamento.

Interações Medicamentosas

A ingestão concomitante de alimentos altera a biodisponibilidade do sirolimo após a administração de Sirolimo drágeas.

Portanto, deve-se optar pela administração do Sirolimo consistentemente com ou sem alimentos para minimizar a variabilidade de nível sanguíneo.

O suco de pomelo (grapefruit) reduz o metabolismo do medicamento mediado pela CYP3A4 e potencialmente aumenta o contra fluxo do fármaco dos enterócitos do intestino delgado mediado pela P-gp.

Este suco não deve ser administrado com Sirolimo drágeas .

  • Inibidores e Indutores da Isoenzima 3A4 do Citocromo P450 (CYP3A4) e Glicoproteína-P (P-gp)

Não se recomenda a administração concomitante do Sirolimo com inibidores potentes da CYP3A4 (como cetoconazol, voriconazol, itraconazol, telitromicina ou claritromicina) ou indutores da CYP3A4 (como rifampicina ou rifabutina).

O sirolimo é amplamente metabolizado pela isoenzima CYP3A4 na parede intestinal e no fígado e atravessa o contra fluxo dos enterócitos do intestino delgado pelo refluxo da glicoproteína-P (P-gp).

Consequentemente, a absorção e a subsequente eliminação do sirolimo absorvido sistemicamente podem ser influenciadas por medicamentos que afetam estas proteínas. Inibidores da CYP3A4 e P-gp podem elevar os níveis de sirolimo. Indutores da CYP3A4 e P-gp podem reduzir os níveis de sirolimo.

Em pacientes com indicação para tratamento com indutores ou inibidores potentes da CYP3A4 e da P-gp, deve-se considerar o uso de agentes terapêuticos alternativos com menor potencial de inibição ou indução da CYP3A4.

Substâncias que inibem a CYP3A4 incluem, mas não se limitam a:

  • Bloqueadores do canal de cálcio: diltiazem, nicardipina, verapamil.
  • Antifúngicos: clotrimazol, fluconazol, itraconazol, cetoconazol, voriconazol.
  • Antibióticos: claritromicina, eritromicina, telitromicina, troleandomicina.
  • Agentes procinéticos gastrintestinais: cisaprida, metoclopramida.
  • Outros: bromocriptina, cimetidina, ciclosporina, danazol, inibidores da protease (utilizados no tratamento de HIV e hepatite C, que incluem medicamentos como ritonavir, indinavir, boceprevir e telaprevir).
  • Suco de pomelo.

Substâncias que induzem a CYP3A4 incluem, mas não se limitam a:

  • Anticonvulsivantes: carbamazepina, fenobarbital, fenitoína.
  • Antibióticos: rifabutina, rifampicina, rifapentina.
  • Fitoterápicos: erva de São João (Hypericum perforatum, hipericina).

A interação farmacocinética de sirolimo com outros medicamentos que sejam administrados concomitantemente está discutida abaixo.

Estudos de interações medicamentosas foram conduzidos como segue:

  • O diltiazem é um substrato e inibidor da CYP3A4 e P-gp. Os níveis do sirolimo devem ser monitorados e pode ser necessário reduzir a dose se o diltiazem for administrado concomitantemente.
  • O verapamil é um inibidor da CYP3A4. Os níveis de sirolimo devem ser monitorados e deve-se considerar uma redução adequada da dose dos dois medicamentos.
  • A eritromicina é um inibidor da CYP3A4. Os níveis de sirolimo devem ser monitorados e deve-se considerar uma redução adequada da dose dos dois medicamentos.
  • O cetoconazol é um potente inibidor da CYP3A4 e P-gp. A administração concomitante do Sirolimo com cetoconazol não é recomendada. A dose única do Sirolimo não alterou as concentrações plasmáticas do cetoconazol no estado de equilíbrio em 12 horas.
  • A rifampicina é um potente indutor da CYP3A4 e da P-gp. A administração concomitante do Sirolimo com rifampicina não é recomendada.

Ausência de Interações Medicamentosas

  • Não foram observadas nos estudos realizados interações significativas de sirolimo com: aciclovir, atorvastatina, digoxina, glibenclamida (gliburida), nifedipina, 0,3 mg norgestrel/0,03 mg etinilestradiol, metilprednisolona, sulfametoxazol/trimetroprima e tacrolimo.
  • A ciclosporina é um substrato e inibidor da CYP3A4 e da P-gp. Os pacientes que recebem sirolimo e ciclosporina devem ser monitorados quanto ao desenvolvimento de rabdomiólise. Ciclosporina em microemulsão [(ciclosporina, USP) Modificada] Recomenda-se que o Sirolimo seja administrado 4 horas após a dose da ciclosporina em microemulsão [(ciclosporina, USP) Modificada]. Ciclosporina solução oral.
  • Os pacientes que recebem Sirolimo e inibidores da HMG-CoA redutase e/ou fibratos devem ser monitorados quanto ao desenvolvimento de rabdomiólise.
  • Foi relatada síndrome urêmica hemolítica/púrpura trombocitopênica trombótica/microangiopatia trombótica (SUH/PTT/MAT) induzida pelo inibidor da calcineurina nos pacientes que receberam sirolimo com um inibidor da calcineurina.
  • Os imunossupressores podem comprometer a resposta à vacinação. Durante o tratamento com imunossupressores, incluindo o Sirolimo, a vacinação pode ser menos eficaz. Deve-se evitar a administração de vacinas com microrganismos vivos atenuados durante o tratamento com Sirolimo. Entre os exemplos desse tipo de vacina estão: sarampo, caxumba, rubéola, poliomielite oral, BCG, febre amarela, varicela e tifoide atenuada.

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada?

A experiência com superdosagem é limitada.

Em geral, os efeitos colaterais de superdosagem são compatíveis com os mencionados no item Efeitos Colaterais.

Devem ser seguidas as condutas gerais de suporte em todos os casos de superdosagem.

Com base na baixa hidrossolubilidade e na alta taxa de ligação do sirolimo a eritrócitos e às proteínas plasmáticas, é de se esperar que o sirolimo não seja dialisável em quantidade significante.

Caso tenha tomado mais Sirolimo do que deveria, consulte seu médico ou dirija-se a um hospital imediatamente. Leve sempre com você o frasco do medicamento, mesmo que esteja vazio.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

Caso tenha se esquecido de tomar Sirolimo, tome-o assim que se lembrar, a menos que precise tomar a sua dose de ciclosporina durante as próximas 4 horas.

Neste caso, não tome a dose em falta do Sirolimo mas continue a tomar os seus medicamentos como de costume.

Não tome uma dose dupla para compensar uma dose esquecida e tome sempre Sirolimo e a ciclosporina com um intervalo de aproximadamente 4 horas.

Composição

Cada drágea contém 1 mg de sirolimo.

Cada drágea contém 2 mg de sirolimo.

Excipientes: lactose monoidratada, macrogol 8.000, estearato de magnésio, talco, macrogol 20.000, álcool desnaturado, mono oleato de glicerila, solução de goma laca, sulfato de cálcio anidro, celulose microcristalina, sacarose (açúcar), água, dióxido de titânio, poloxâmer, povidona, racealfatocoferol (vitamina E), cera de carnaúba, fração leve de petróleo desodorizado, tinta Opacode vermelha, propilenoglicol (para drágeas 1 mg e 2 mg), óxido férrico amarelo (para drágeas 2 mg) e óxido férrico marrom (para drágeas 2 mg).

Apresentação:

  • Cartucho contendo 60 drágeas de 1 mg.
  • Cartucho contendo 30 drágeas de 2 mg.

Armazenamento

Onde como e por quanto tempo posso guardar?

Conservar o medicamento em temperatura ambiente (temperatura entre 15 e 30°C) e protegê-lo da luz.

Guarde-o em sua embalagem original.

Laboratório

Wyeth Indústria Farmacêutica Ltda.

- SAC: 08000 160625

Dizeres Legais

MS -1.2110.0117

Farm. Resp.: Edina S. M. Nakamura CRF-SP nº 9258

< Sinvastatina < Sirolimo > Slenfig >
publicidade