Ossotrat-D

publicidade

Indicação

Para que serve?

Ossotrat-D é indicado na prevenção e tratamento da desmineralização óssea pré e pósmenopausal, da Osteoporose de várias causas (pós-menopausal, senil), frequentemente em associação com medicação complementar.

Ossotrat-D também é indicado nos casos em que há aumento das necessidades de cálcio na gravidez e lactação e no complemento das necessidades orgânicas do cálcio, em estados deficientes e para o tratamento de hipocalcemia.

Contraindicações

Quando não devo usar?

É contraindicado em casos de hipercalcemia, insuficiência renal grave, sarcoidose, hipercalciúria grave e hipersensibilidade conhecida aos componentes da formulação.

ESTE MEDICAMENTO É CONTRAINDICADO PARA CRIANÇAS.

Posologia

Como usar?

A dose recomendada de Ossotrat-D é de 1 a 2 comprimidos revestidos ao dia, durante as refeições.

Doses maiores devem ser ingeridas de acordo com a prescrição do seu médico.

ESTE MEDICAMENTO NÃO PODE SER PARTIDO OU MASTIGADO.

Efeitos Colaterais

Quais os males que pode me causar?

Nas doses habituais não foram observadas reações adversas importantes. O uso do cálcio pode, em casos raros, ocasionar distúrbios gastrintestinais leves como: distensão abdominal, diarreia ou constipação, mais comum em idosos após uso prolongado.

A ingestão excessiva de vitamina D3 causa o desenvolvimento de hipercalcemia e seus efeitos associados inclui hipercalciúria, calcificação ectópica e dano cardiovascular e renal. É conhecido que a suplementação da dieta com vitamina D3 pode ser prejudicial para pessoas que já recebem ingestão adequada por meio da própria dieta alimentar e da exposição à luz solar, visto que a diferença entre as concentrações terapêuticas e tóxicas é relativamente pequena.

Advertências e Precauções

O que devo saber antes de usar?

Propensão à formação de cálculos renais, deve-se realizar monitorização da excreção urinária de cálcio sob supervisão médica e, se necessário, a dose deve ser reduzida ou o tratamento interrompido.

Em pacientes com acloridria (falta de ácido hipoclorídrico no suco gástrico apesar da estimulação de secreção gástrica) ou hipocloridria (diminuição do ácido clorídrico do suco gástrico que ocorre em anemias perniciosas e câncer de estômago; sinônimo de hipoacidez), a absorção de cálcio pode estar reduzida, a menos que este seja administrado durante as refeições.

A vitamina D3 não deve ser administrada em pacientes com hipercalcemia (devido à maior sensibilidade aos efeitos), em pacientes com insuficiência renal ou cálculos, ou em pacientes com doença cardíaca, que apresentam maior risco de dano ao órgão caso ocorra hipercalcemia. As concentrações plasmáticas de fosfato devem ser controladas durante o tratamento com vitamina D3, visando reduzir o risco de calcificação ectópica (cartilagem auricular).

Recomenda-se a monitorização regular da concentração de cálcio em pacientes recebendo doses farmacológicas da vitamina D3, especialmente no início do tratamento e caso surjam sintomas sugestivos de toxicidade.

A ingestão adicional de altas doses de vitamina D3 deve ser evitada durante o uso do cálcio, exceto quando especificamente indicada.

Gestantes e nutrizes somente devem consumir este produto sob orientação de nutricionista ou médico.

O uso prolongado de cálcio em idosos pode provocar constipação intestinal.

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada?

No caso de dosagem excessiva, podem surgir reações gastrintestinais e sinais e sintomas de hipercalcemia (anorexia (diminuição do apetite), náuseas, vômitos, constipação, dor abdominal, sede, secura na boca, poliúria e, em casos mais graves, confusão mental, coma e arritmias cardíacas).

Conduta na superdosagem: interrupção do tratamento na hipercalcemia severa, instituir infusão de solução de cloreto de sódio, diurese forçada e fosfato oral e, na hipercalcemia grave, tratamento hemodialítico, diurese forçada e terapia de suporte.

Composição

Cada comprimido revestido contém: 1750 mg de carbonato de cálcio (equivalente a 600 mg de cálcio elementar); 200 UI de colecalciferol (vitamina D3).

excipiente q.s.p. 1 comprimido revestido: croscarmelose sódica, estearato de magnésio, copolímero de dimetilaminoetilmetacrilato, álcool isopropílico, talco, dióxido de titânio, macrogol, água.

Armazenamento

Onde como e por quanto tempo posso guardar?

Ossotrat-D deve ser mantido em sua embalagem original, conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 300C).

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Apresentação

Comprimidos revestidos: embalagem contendo um frasco com 60 comprimidos.

Comprimidos brancos revestidos, oblongos, com vinco, apresentando aspecto uniforme.

USO ADULTO - USO ORAL
VENDA SEM PRESCRIÇÃO MÉDICA

Interações Medicamentosas

O cálcio pode alterar a absorção de algumas substâncias como etidronato, ferro, atenolol, propanolol, salicilatos, fenitoína e tetraciclina. Nestes casos, os medicamentos devem ser espaçados em pelo menos 2 a 3 horas entre suas tomadas.

A absorção intestinal de cálcio pode ser reduzida pela ingestão simultânea de certos alimentos (espinafre, ruibarbo, farelo de trigo, cereais, leite e derivados).

Diuréticos tiazínicos aumentam o risco de hipercalcemia se administrados juntamente com a vitamina D3 e Cálcio. Nestes casos, aconselha-se a monitorização das concentrações séricas de cálcio.

O uso excessivo e prolongado de suplementos de cálcio com leite ou derivados deve ser evitado.

O consumo de álcool, cafeína ou tabaco pode reduzir a quantidade de cálcio absorvida.

Alguns antiepiléticos (ex.: carbamazepina, fenobarbital, fenitoína e primidona) podem aumentar a necessidade de vitamina D3.

Em pacientes que fazem uso de digitálicos, altas doses de cálcio pode predispor ao risco de arritmias cardíacas.

Informações Legais

Reg. MS nº 1.0440.0121
Farm. Resp.: Dra. Lauren Lobo Lustosa - CRF-SP nº 27.944

Laboratório

Reg. MS nº 1.0440.0121
Número do lote, data de fabricação e validade: vide cartucho
Farm. Resp.: Dra. Lauren Lobo Lustosa - CRF-SP nº 27.944

< Ossopan < Ossotrat-D > Osteonutri >
publicidade