Lorsar Hct



Indicação

Para que serve?

Lorsar HCT 50/12,5 mg é indicado para o tratamento da hipertensão em pacientes nos quais é adequada a terapia combinada.

Este medicamento indicado como terapia inicial em pacientes com hipertensão severa.

Uso adulto - Uso oral

Farmacocinética

Como funciona?

Lorsar HCT 50/12,5 mg é um medicamento que reduz a pressão arterial.

Os componentes de Lorsar HCT 50/12,5 mg apresentam efeito aditivo na redução da pressão arterial, reduzindo-a a níveis maiores do que aqueles atingidos com cada um dos componentes utilizados isoladamente.

Posologia

Como usar?

A dose usual inicial e a dose de manutenção são de 1 comprimido de Lorsar HCT 50/12,5 mg uma vez ao dia.

Para os pacientes que não respondem adequadamente ao tratamento com Lorsar HCT 50/12,5 mg, a dose pode ser aumentada para 2 comprimidos uma vez ao dia.

A dose máxima é de 2 comprimidos administrados uma vez ao dia.

Em geral, atinge-se o efeito anti-hipertensivo em três semanas após o início da terapia.

Não deve ser iniciado o tratamento com Lorsar-HCT em pacientes que apresentam depleção intravascular de volume (exemplo, aqueles pacientes tratados com altas doses de diuréticos).

Lorsar HCT 50/12,5 mg não é recomendado para pacientes com insuficiência renal severa (depuração de creatinina ≤ 30 mL/min) ou para pacientes com insuficiência hepática.

Não é necessário ajuste posológico inicial para pacientes idosos.

Lorsar HCT 50/12,5 mg pode ser administrado com outros agentes anti-hipertensivos.

Lorsar HCT 50/12,5 mg pode ser administrado com ou sem alimentos.

publicidade

Efeitos Colaterais

Quais os males que pode me causar?

Em geral, o tratamento de losartana potássica + hidroclorotiazida foi bem tolerado.

Na maioria dos casos, os efeitos colaterais foram leves e de natureza transitória e não levaram a descontinuação da terapia.

Em estudos clínicos controlados em hipertensão essencial, tontura foi o único efeito colateral relatado como relacionada à droga, que ocorreu com incidência maior do que a do placebo, em 1% ou mais dos pacientes tratados com losartana potássica + hidroclorotiazida.

Em estudos clínicos controlados, alterações clínicas importantes em parâmetros padrão de testes laboratoriais foram raramente associadas com a administração de Lorsar HCT 50/12,5 mg.

Hipercalemia (potássio sérico >5,5 mEq/L) ocorreu em 0,3% dos pacientes, mas nestes estudos, não foi necessária a descontinuação de Lorsar HCT 50/12,5 mg devido a hipercalemia.

Raramente ocorreram elevações de ALT (Alanina aminotransferase) e quando ocorreu foi em geral solucionada com a descontinuação da terapia.

Contraindicações

Quando não devo usar?

Lorsar HCT 50/12,5 mg é contra-indicado em:

  • Pacientes que são hipersensíveis a quaisquer componentes desse produto.
  • Pacientes com anúria.
  • Pacientes que são hipersensíveis a outras drogas derivadas das sulfonamidas.
  • Pacientes grávidas ou lactantes.

Advertências e Precauções

O que devo saber antes de usar?

Lorsar Hct na gravidez e lactação: pacientes do sexo feminino em idade fértil devem ser informadas sobre as consequências da exposição às drogas que atuam no sistema renina-angiotensina, durante o segundo e terceiro trimestres da gravidez, e também devem ser informadas de que estas consequências não parecem resultar da exposição intra-uterina à droga, limitada ao primeiro trimestre da gravidez.

Deve-se solicitar a estas pacientes que informem sobre a sua gravidez aos seus médicos o mais rapidamente possível.

Não se sabe se losartana é excretada no leite materno. As tiazidas aparecem no leite materno. Devido ao potencial de efeitos colaterais no lactente, deve-se decidir pela interrupção do tratamento ou da amamentação, levando-se em consideração a importância da droga para a mãe.

Não deve ser utilizado durante a gravidez e a lactação.

Não foram estabelecidas a eficácia e a segurança em crianças.

Não foram relatadas restrições quanto ao uso do produto em pacientes idosos.

  • Losartana-hidroclorotiazida

Lorsar HCT 50/12,5 mg não é recomendado em pacientes com insuficiência hepática ou renal grave (“clearance” de creatinina ≤ 30 mL/min).

  • Losartana

Insuficiência renal

Outras drogas que afetam o sistema renina-angiotensina podem aumentar os níveis sérico de uréia e creatinina em pacientes com estenose da artéria bilateral ou com estenose da artéria do rim único.

Embora sem confirmação, este fato pode potencialmente ocorrer com os antagonistas dos receptores da angiotensina II.

  • Hidroclorotiazida

Desequilíbrio hidro eletrolítico e hipotensão

Assim como para todas as terapias anti-hipertensivas, pode ocorrer hipotensão assintomática em alguns pacientes.

Os pacientes devem ser observados quanto aos sinais clínicos de desequilíbrio hídrico ou eletrolítico, por exemplo, depleção de volume, hiponatremia, alcalose hipoclorêmica, hipomagnesemia ou hipocalemia que podem ocorrer durante vômitos ou diarreias intercorrentes. Nestes pacientes, deve ser feita determinação periódica de eletrólitos no soro a intervalos apropriados.

  • Efeitos endócrinos e metabólicos

A terapia com tiazídicos pode diminuir a tolerância à glicose.

Pode ser necessário o ajuste da posologia de agentes antidiabéticos, incluindo a insulina.

As tiazidas podem reduzir a excreção urinária de cálcio e podem provocar elevação discreta e intermitente do cálcio sérico.

Hipercalcemia acentuada pode ser evidência de hiperparatireoidismo oculto. O tratamento com tiazidas deve ser descontinuado antes de serem feitos testes para avaliação da função das paratireoides.

  • Elevações nos níveis de colesterol e de triglicérides podem estar associadas à terapia diurética com tiazídicos.

A terapia com tiazídicos pode precipitar hiperuricemia e/ou gota em certos pacientes.

Como losartana reduz o ácido úrico, losartana em combinação com hidroclorotiazida atenua a hiperuricemia induzida por diuréticos.

  • Outros

Em pacientes recebendo tiazidas podem ocorrer reações de hipersensibilidade com ou sem história de alergia ou asma brônquica. Foi relatado exacerbação ou ativação de lúpus eritematoso sistêmico, com o uso de tiazidas.

Interações Medicamentosas

  • Losartana

Não foram identificadas interações medicamentosas de significado clínico.

Os compostos que foram avaliados nos estudos de farmacocinética clínica incluem hidroclorotiazida, digoxina, varfarina, cimetidina e fenobarbital.

  • Hidroclorotiazida

Quando administradas concomitantemente, as seguintes drogas podem interagir com os diuréticos tiazídicos:

  • Álcool, barbitúricos ou narcóticos - pode ocorrer potencialização da hipotensão ortostática.
  • Drogas antidiabéticas (orais ou insulina) - pode ser necessário o ajuste da posologia da droga antidiabética.
  • Outras drogas anti-hipertensivas - efeito aditivo.
  • Colestiramina e resinas de colestipol - a absorção da hidroclorotiazida é prejudicada na presença de resinas de troca aniônica. Doses únicas de colestiramina ou de resinas de colestipol ligam-se a hidroclorotiazida e reduzem sua absorção no trato gastrintestinal em até 85 e 43%, respectivamente.​
  • Corticosteroides, ACTH - intensifica a depleção eletrolítica, particularmente hipocalemia.
  • Aminas pressóricas (exemplo, adrenalina) - possível redução da resposta às aminas pressóricas, mas não o suficiente para impedir o seu uso.
  • Relaxantes não despolarizantes do músculo esquelético (exemplo, tubocurarina) - possível aumento da resposta ao relaxante muscular.
  • Lítio - agentes diuréticos reduzem a depleção renal de lítio e aumentam o risco de toxicidade por lítio. O uso concomitante não é recomendado. Consulte as bulas das preparações de lítio antes de utilizá-las.
  • Drogas anti-inflamatórias não esteroidais - em alguns pacientes a administração de agentes anti-inflamatórios não esteroidais pode reduzir o efeito diurético, natriurético e anti-hipertensivo dos diuréticos.

Devido ao seu efeito no metabolismo do cálcio, as tiazidas podem interferir com os testes da função das paratireoides.

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada?

Não há informações disponíveis sobre o tratamento da superdosagem com Lorsar HCT 50/12,5 mg.

O tratamento é sintomático e de suporte.

A terapia com Lorsar HCT 50/12,5 mg deve ser descontinuada e o paciente deve ser cuidadosamente observado.

As medidas propostas incluem indução de êmese se a ingestão for recente e a correção da desidratação, do desequilíbrio eletrolítico, do coma hepático e da hipotensão, por meio de procedimentos de rotina.

Composição

Lorsar Hct 50/12,5 mg

Cada comprimido revestido de 50/12,5 mg contém:

losartana potássica ................ 50 mg

hidroclorotiazida.................. 12,5 mg

excipientes q.s.p. .............. 1 comprimido revestido
(celulose microcristalina, lactose, amido, estearato de magnésio, opadry, talco, dióxido de titânio, polietilenoglicol e amarelo de quinoleína)

Apresentação:

Lorsar HCT 50/12,5 mg. Embalagem contendo 28 ou 30 comprimidos revestidos.

Armazenamento

Onde como e por quanto tempo posso guardar?

Lorsar HCT 50/12,5 mg deve ser mantido em sua embalagem original, em local fresco (15-30°C), seco e ao abrigo da luz.

Laboratório

HEXAL DO BRASIL Ltda.

Dizeres Legais

M.S. nº 1.0047.0302
Farm. Resp.: Luciana A. Perez Bonilha CRF-PR nº 16.006

< Lorsacor < Lorsar Hct > Losartana >
publicidade